Castas

Madeira Grape Varietals

O vinho da Madeira é conhecido pelas suas castas que, ao longo do tempo, têm vindo a definir o estilo do vinho, mas aquando da sua descoberta, não havia uvas nativas na ilha. Todas as castas provêm do continente, e foram plantadas pelos colonos que se instalaram na ilha pouco tempo após a sua descoberta. 

Os colonos iniciais plantaram uvas que eram comuns em Portugal continental, com excepção da Malvasia ou Malmsey que tinha origem no Mediterrâneo (Creta), é por isso que grande parte das castas do vinho da Madeira é também usada na produção de vinhos no continente, embora vinificadas de forma diferente, e com características influenciadas pelo terroir onde de onde provêm.

Hoje, o vinho da Madeira pode ser produzido a partir das seguintes castas:



Tinta Negra

2980 0005 tintanegramole
A única casta tinta usada nos vinhos da Madeira. Introduzida após a praga de phylloxera que atacou a ilha, tem uma pelicula mais espessa e resistente que as castas brancas, é mais vigorosa, e tem rendimentos mais elevados. Versátil e produtiva, representa cerca de 80% da produção da ilha, sendo usada predominantemente nos vinhos de 3 anos, embora não exclusivamente.

Dependendo da altitude, humidade relativa, localização e exposição solar, as uvas podem produzir vinhos mais ricos ou secos. É diversificada o suficiente para ser capaz de representar qualquer um dos 4 estilos de Madeira.
A família tem presentemente significativos stocks de Tinta Negra a envelhecer em cascos de Carvalho Americano.







Sercial

Madeira SercialEsta é uma casta de uvas brancas originária provavelmente de Bucelas, perto de Lisboa, onde é tradicionalmente cultivada sob o nome Esgana Cão, tendo sido posteriormente introduzida na Madeira onde lhe foi dada o nome de Sercial. 

Os vinhedos localizam-se nas encostas norte e sul da ilha. A sul, encontramo-la a grande altitude no Jardim da Serra, acima do Estreito de Camara de Lobos, a altitudes compreendidas entre os 600 e 800 metros. A norte, nas regiões de Porto Moniz São Vicente e Sexial, entre os 10 e os 200 metros de altitude.
Sercial produz cachos pequenos, com bagos de tamanho médio e de película fina, o que faz com que sejam propensos à podridão. A maturação é tardia e apresenta boa resistência ao oídio e míldio, é sempre a ultima a ser vindimada. A maturação tardia resultante dos terroirs onde é produzida, origina vinhos com elevada acidez que raramente alcançam um teor alcoólico superior a 11% antes da fortificação.
No vinho da Madeira, e devido á sua acidez natural, cortante e viva, de fazer água na boca, equilibrada por uma doçura discreta, Sercial é sempre usada na produção de vinhos secos, que são leves em corpo, apresentando aromas intensos e vibrantes. O Sercial jovem tem tons abertos, que o curso do tempo se encarrega escurecer para tons de âmbar.
O Sercial é não só um extraordinário aperitivo ou digestivo (Colheita e Frasqueira) como também o único vinho Madeira que, jovem, pode acompanhar uma refeição.



Verdelho

Madeira VerdelhoA casta Verdelho é amplamente cultivada na Madeira desde o século XVII tendo sido trazida provavelmente do Norte de Portugal continental aquando dos primórdios do povoamento da ilha. Antes da praga de phylloxera que atacou a ilha, representava aproximadamente dois terços das vinhas da Madeira. 

Hoje, é a casta branca com maior área (47 hectares) na Madeira, principalmente na costa Norte, em vinhas situadas em Ponta Delgada e São Vicente, a altitudes compreendidas até 100 metros de altitude, e a sul, a cerca de 400 metros, nos Prazeres e Câmara de Lobos.
Esta casta requer solos profundos, com algum grau de humidade. Tem baixos rendimentos por hectare, e amadurece cedo, sendo vindimada em finais de Setembro, produzindo elegantes vinhos de estilo meio-seco e cor dourada que denotam notas tropicais e exóticas.
Apresenta cachos compactos e pequenos com poucos bagos. O mosto tem níveis de açúcar moderados e uma acidez marcante. Na Madeira, o Verdelho é sempre vinificado para produzir vinhos generosos de estilo meio-seco.



Terrantez

Madeira Terrantez
Como muitas das castas usadas no vinho da Madeira, a Terrantez provém do norte de Portugal continental, onde é conhecida pelo nome de Folgasão. Há séculos que a casta é usada na produção de vinhos de categoria premium, atingindo preços extremamente elevados no mercado.

Raras, as uvas Terrantez são frágeis e de pelicula extremamente fina. Os cachos compactos tornam-na propensa a podridão nobre e desavinho. Os rendimentos são baixos, e a maturação tardia.
Devido á sua natureza frágil, os viticultores substituíram-na por castas mais resilientes, e produtivas, quase até á sua extinção. Recentemente, a família tem persuadido os viticultores com quem trabalha a recuperar a casta. Qualquer produção de Terrantez é importante o suficiente para que se tente.





Bual

Madeira BualA casta Bual, ou Boal, como também por vezes é referida na Madeira, é uma casta branca que tem origem no continente, onde há séculos que é plantada, principalmente no Douro e no Dão, onde é conhecida pelo nome de malvasia Fina. Em Portugal, o nome Bual cobre não uma, mas ao todo 16 diferentes castas, como refere Cincinnato da Costa no seu livro “O Portugal Vitícola”. No livro “Wine Grapes” (Robinson et al.), o viticulturista Rolando Faustino sugere que provavelmente terá origem no Douro, mas que devido á sua diversidade genética, nem Dão, nem Lisboa, podem ser excluídos. 

Na madeira, a casta Bual, com uma área total inferior a 20 hectares, é cultivada essencialmente na costa sul da ilha, mais quente e soalheira, pois tem um mau desempenho na encosta norte, mais fresca e húmida.
Os melhores vinhos têm origem em pequenas parcelas (poios) das zonas do Campanário, Calheta e Ponta do Pargo, a oeste do Funchal, localizadas a altitudes entre os 100 e os 300 metros acima do nível do mar.
Esta casta é bastante vigorosa, relativamente fácil de produzir, moderadamente susceptível à podridão sendo no entanto mais afectada pelo oídio, e tem uma rebentação tardia, o que permite não estar tão exposta ao risco das geadas Primaveris. Os cachos são largos, e têm tendência a amadurecer cedo.
No vinho da Madeira, e devido á sua boa acidez que equilibra a doçura, a casta Bual produz vinhos de estilo meio-doce, meio encorpados com tonalidade acobreado aberto que são intensamente perfumados, ricos em notas de especiarias e frutos secos, e adquirem admirável longevidade.



Malvasia (Malmsey)

Madeira MalmseyO Malmsey não deve ser encarado como um vinho de uma casta única (existem inúmeros tipos de uvas chamadas Malvasia), mas como um estilo de vinho. No livro “Wine Grapes” (Robinson et al.) os autores fazem este ponto, referindo que Malvasia é um nome genérico atribuído a uma grande família de variedades de pelicula branca, rosa, cinza ou tinta que têm em comum o facto de produzirem vinhos doces e de elevado teor alcoólico. A área de plantação encontra-se estável, sendo aproximadamente 39 hectares (96 acres).

A maioria da Malvasia plantada na ilha da Madeira é uma casta conhecida pelo nome Malvasia Branca de São Jorge, uma uva branca introduzida nos em 1970 na paróquia de São Jorge no distrito de Santana, na encosta norte da ilha, a altitudes compreendidas entre os 150 e os 200 metros acima do nível do mar. Apresenta cachos grandes e cónicos e caracteriza-se pela rebentação adiantada e maturação ser tardia. Não tem qualquer relação com a afamada Malvasia Cândida que foi introduzida na ilha no século XV, hoje reduzida a 3 hectares na encosta sul da Madeira.
Os Malmsey jovens apresentam tonalidades acobreadas, enquanto os velhos têm tons de âmbar carregado.
Ricos, aveludados e exuberantes no palato, evidenciam notas complexas de moka, frutos secos, e mel, e discretas notas tropicais, caramelo e marmelada.